Os 6 livros que eu mais gostei de ler esse ano (parte 1)


Dos classicos as sagas, dos didaticos aos biograficos, meu gosto de litarario não tem preconceito, até bula de remedio se tiver por perto eu estou lendo. Tem pessoas que não entendem por que eu gosto tanto de ler, e de gastar meu suado dinheirinho comprando livros e mais livros. Em julho eu comprei 13 livros, desses eu ainda não li todos, em agosto eu comprei 4 livros, agora só vou comprar um novo livro quando terminar esses que eu comprei, é dificil resistir, mas eu tenho que se forte, espero conseguir, mas que é tão boa a sensação...

1- Ler, viver e amar – Jennifer Kaufman e Karen Mack
Editora Casa da Palavra
 
Quando eu vi esse livro na prateleira, primeiro eu confundi o livro com aquele outro, Comer, amar e rezar, fiquei na duvida, mas resolvi levar, como a contra capa, não explicava direito a historia eu fiquei um pouco com receio. Sai da livraria e fui pegar onibus para ir para casa, quando sentei no onibus resolvi dar uma checada em alguma resenha na internet, peguei meu fiel companheiro meu celular e procurei uma resenha legal, então encontrei uma otima no blog Leitora Compulsiva – melhor nome impossivel – e fiquei animada com o livro, por que a resenha e os comentarios sobre ele eram superanimadores.
Li o livro em tempo recorde por que era impossivel para de ler, quando você se identifica com alguma coisa a leitura é ainda melhor.

No livro somos apresentado a Dora uma mulher de um trinta e poucos anos que mora na ensolarada California, já se divorciou duas vezes e tem problemas serios com a mãe. Dora ama fazer compras, mas diferente da maioria das mulheres, ela é viciada em livros e quando sai para comprar nunca volta só com um. Mas do que ser viciada em livros Dora esta acostumada a fugir da realidade atraves deles, ela se tranca em seu apartamento e passa dias mergulhada em sua banheira bebendo vinho e lendo muitos, muitos livros. A melhor amiga de Dora e sua irmã se preocupam demais por que para elas Dora usa os livros para fugir da realidade em vez de encarar os problemas de frente.

Entre idas e vindas a livraria Dora conhece o sedutor Fred com quem mantera um relacionamento intenso o qual ela já não tinha a algum tempo, ao mesmo tempo que  o ex-marido irá se reaproximar dela deixando-a confusa. Ao conhecer a família de Fred, Dora irá rever alguns conceitos, que a levará a tomar decisões que mudara sua forma de se relacionar com o mundo. 

2- Crescendo – Becca Fitzpatrick
Editora Intriseca


A serie Hush, Hush da autora americana Becca Fitzpatrick conta a historia de Nora, uma adolescente que ve sua vida ser transformada ao se ver envolvida com o sedutor Patch Cipriano.

(spoiler do final do primeiro livro Sussuro)

Depois de todas as confusões do final do primeiro livro que terminou com Nora sofrendo uma tentativa de assassinato e Patch se tornando seu anjo da guarda, no segundo livro Nora e Patch estão num relacionamento serio, pelo menos para Nora, Patch começa a ficar evasivo e se aproxima de Marcie Millar, sua maior inimiga. Patch tem seus motivos mas só revelará no momento certo para Nora, mas enquanto isso não acontece ela fica arrasada.

O que faz com que Nora acabe se aproximando de um antigo amigo de infancia, que retorna a cidade e guarda algum segredo, que Nora ficara louca para descobrir. Novidades também para a Vee que começara a namorar o melhor amigo de Patch que também é um anjo caido.

O final do livro é superemocionante, ainda mais que o primeiro, acontecem muitas coisas inesperadas, e você fica com o coração na mão, por que uma das coisas que a Nora mais quer o livro todo Patch acaba realizando mas termina de um jeito muito ruim, e ai que o livro acaba com o final mais angustiante que eu já li.

PS: alguém me diz onde eu posso achar um Patch, deve ser o personagem mais envolvente que eu já li em algum livro, e olha que eu já li bastante e nunca encontrei um que eu achasse tão lindo e sedutor.


A árdua tarefa de ser mulher


Para as mulheres parece que certos comportamentos são quase que obrigatórios, quando os pais sabem que vão ter uma menina, é isso que eles esperam, e não só os pais ou a família, mas a sociedade de uma forma geral, deseja, chega a exigir esses comportamentos. Querem que as mulheres casem, que tenham filhos, que sejam delicadas, sensíveis, que sejam boas filhas, que se tornem boas mães, que prezem a família em relação à carreira, que saibam se “comportar”, que não se tenha uma vida sexual ativa sem estar casada, que sejam o sexo frágil, chegam ao ponto de subestimar  nossa capacidade intelectual pelo simples fato de sermos mulheres. O machismo vem de diferentes formas, não só por parte dos homens, existem muitas mulheres machistas que perpetuam por gerações essa crença de que o homem e a mulher são e tem que ser tratados de formas diferentes.

Na infância as meninas passam o tempo todo brincando de bonecas, brincam de serem donas de casas, os brinquedos sempre estimulam as meninas a brincar de cozinha, brincar de serem mães, brincar de arrumar as casinhas, entre outras brincadeiras que envolvam afazeres domésticos e cuidados com filhos. E ainda são bombardeadas com a ideia da princesa passiva e da busca pelo príncipe encantado para salvá-la do sofrimento – me diga quantas princesas você já viu salvando os príncipes - enredo mais utilizado nos filmes infantis para garotas.

Em casa as garotas tem que ajudar a mãe a tirar a louça da mesa, a lavar a louça, a arrumar a casa, enquanto os meninos podem ir assistir televisão ou jogar videogames. Vemos e ouvimos repetidas vezes, o fato de que a mulher tem que saber o seu lugar, que os homens são fortes e as mulheres delicadas, não paramos de ouvir repetidas vezes que a mulher é o sexo frágil. Quando  adolescentes o simples fato de que começar a namorar deixa os pais doidos, quando não as proíbem, vigiam constantemente pondo muitas vezes irmãos mais novos para acompanhar os encontros. Outra coisa que acaba acontecendo é que quando estão namorando alguém as pessoas começar a se referir a garota como a namorada de alguém.

Ao chegar a idade adulta as mulheres sofrem intermináveis questionamentos quanto a relacionamentos, por que para a maioria das pessoas as mulheres só se tornam “completas” quando casam e têm filhos. Por isso as mulheres têm que estar sempre em busca de um compromisso que levará ao casamento, ficar sozinha não é uma possibilidade, por que mulheres sozinhas são mal-amadas, feministas frustradas e como dizem mau-comida. Então a busca por um parceiro ideal para aquelas que já não estão mais solteiras, é uma obrigação.

Séculos e séculos de historia, cobrando das mulheres que sigam o padrão estabelecido, mulheres frágeis, indefesas, delicadas, prendadas, e cobrando com todo o peso da sociedade cada comportamento que se tem, e que se deve ter. Na minha humilde opinião é muito difícil ser mulher.


E então tudo começa.

Eu amo ler. Depois de passar horas pela internet, lendo blogs sobre livros, comportamento e música, decidi então falar um pouco sobre o que eu acho sobre esses assuntos. Não tenho a pretensão de ser melhor que ninguém. Mas sim ter um lugar onde posso expressar minhas opiniões sobre coisas que acontecem no meu dia a dia, e também sobre comportamento, música e livros.