Resenha: Derby Girl


5/5 [Favorito]

Quando eu estava no meu mais desesperador momento de não conseguir nada para ler, eis que me lembro o quanto eu sempre quis ler Derby Girl, e que já faz um tempinho que eu tenho ele aqui na estante. Aí eu peguei ele, naquela esperança animadora que me tirasse dessa ressaca/depressão literária, e ainda bem, foi exatamente o que aconteceu, eu simplesmente devorei o livro, e foi tão, mais tão bom, que eu classifiquei ele como favorito.

Eu já tinha visto o filme, então eu já tinha uma ideia do que esperar, mas foi muito mais, a Bliss da Ellen Page, apesar de boa, não chega perto de toda a efervescência da Bliss do livro, que eu posso dizer com certeza, entrou para minha galeria de personagens favoritos, ela é inteligente, estilosa, curte boa música, tem umas tiradas sensacionais, mais ela também comete erros e faz burradas e arca com as consequências, e ainda faz referência a minha banda favorita, não tem como não gostar.

Bliss mora em uma cidadezinha pequena muito sem graça, intitulada por ela como "Merdolândia", ela não vê a hora de se mandar de lá, e ir morar em Austin, onde a "magia" acontece, lugares bacanas, pessoas bacanas, música boa, e o melhor de tudo, GATINHOS, mas enquanto isso não acontece ela ainda tem que lidar com a mãe viciada em concursos de belezas, e apesar dela ter conseguido se livrar deles, já que não nasceu para isso, sua mãe muito a contra gosto teve que entender, manteve a promessa de que ela participaria de um último, praticamente um legado de família, já que sua mãe e avó haviam ganhado o mesmo.


Em uma visita a Austin, em uma torturante ida as compras com sua mãe e irmã, Bliss conhece algo que vai mudar sua vida para sempre, depois de conseguir arrastar sua mãe para uma das centenas de lojas realmente boas, Bliss pega alguns planfetos, e entre eles está um que lhe chama a atenção, uma garota de patins praticante de roller derby, cheia de estilo, alguém com quem Bliss gostaria de parecer, alguém que apesar de ela não conhecer ainda mudaria sua vida.

Depois de conseguir arrastar a amiga para uma das partidas de roller, Bliss recebe um convite de uma das meninas para tentar uma vaga em um dos times. Uma ideia um tanto absurda, mas que aos poucos vai se tornando uma realidade, Bliss teria que arranjar um jeito de ir para Austin toda a semana, e teria que enganar seus pais, já que em hipótese alguma eles poderiam saber o que ela estava fazendo, com o apoio da melhor amiga, Pash, ela consegue.

E um mundo novo se abre para Bliss, claro que com muitos gatinhos, entre eles o Señor Sensual, que ela viu em uma das partidas, e depois encontra em uma festa. Além de ser um gato, ele também tem uma banda, o que mais uma garota poderia querer da vida, pois é, ela também não sabe, eu adorei essa parte do livro, por que a autora soube escrever tão bem sobre o primeiro amor, é bonitinho de ler, como a Bliss fica quando ele esta por perto, o quanto ela gosta dele, e eu amei ainda mais o final do casal, já que geralmente eu nunca vejo isso acontecer nos livros, a autora acertou completamente.


A primeira vez que eu vi o filme eu senti uma vontade enorme de pegar uns patins e sair por aí, mas voltando a realidade, o livro também me deu essa sensação, eu adoraria praticar roller derby, e mesmo que seja um tanto violento, é aí que esta a graça.

Quanto ao filme, eu achei bem adaptado, algumas partes mudam, mas nada que seja tão gritante e chocante, como em algumas adaptações que a gente vê por aí. Como eu falei mais acima, a Ellen Page fez uma boa Bliss, só acho que a personagem do livro tem um charme a mais, ela é mais vibrante, apaixonante, interessante, e no filme, apesar de eu ter adorado, a personagem perde esse brilho, não sei explicar bem, mas espero que vocês tenham entendido.

Uma última coisinha sobre o filme, não tinha como eu não gostar, um filme que reúne minhas três atrizes favoritas - Julliete Lewis, Drew Barrymore e Kristen Wigg - fala de girl power, tem um final sensacional e um trilha sonora foda, para mim é perfeito.


Compare preços


5 comentários:

  1. Own, o livro parece tão bonitinho *O* deu vontade de ver o filme também!

    ResponderExcluir
  2. Ai, ai, aii <3

    Pq diabos eu não sabia que tinha filme tbm? Acho que não sou desse planeta, haha. Consegui esse na feirinha, e realmente comprei pq tava 5 pratas, nem imaginava que poderia ser tão bom assim! o/
    Muito bom quando uma leitura dessa tira a gnt da ressaca né? Ultimamente aconteceu isso comigo com Métrica! <3

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. ADOREI sua resenha =)
    Já queria ler antes e agora que sei mais detalhes, adorei!!!!
    Parabéns pela leitura e resenha. E aí passou a ressaca????
    Espero que tenha te ajudado essa leitura.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju, mil perdões pelo sumiço, ando tão atarefada e com uma baita ressaca, ta muito grande mesmo e to precisando de um livro como o Derby Girl, nunca tinha ouvido falar deste livro...
    E nem o filme..
    Estou vendo na sua resenha que o livro te encantou mesmo, e que as cenas descritas foram feitas com perfeição, eu adoro isso..
    Vou colocar na listinha ^^

    beijos Mila
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ahh somos duas então :) Assim que assisti o filme fiquei com uma vontade enorme de sair patinando por aí ahahaha e foi por causa do filme que o livro (descobri que tinha livro muito depois do filme) entrou para os meus desejados. Primeira resenha que leio do livro e fiquei até meio emocionada, não é um livro que eu veja muito por aí. Vou procurar adquirir logo :D

    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir

Oi!! Eu falo muito abobrinha, então obrigado por comentar.

Lembre-se de ter cuidado com os spoilers, e sempre respeite as opiniões contrárias.