Resenha: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo




Autora: Benjamin Alire Sáenz | Editora: Seguinte | Publicado originalmente em: 2012 | Título Original: Aristotle and Dante Discover the Secrets of the Universe Gênero: YA contemporâneo| Nota: 5/5 (+Favorito<3)


Foi publicado pela editora Seguinte no dia 30 de abril e foi cedido pela mesma para resenha.

Esse livro vai nos contar uma história que se passa nos Estados Unidos em 1987 em uma comunidade de mexicanos e seguimos dois personagens, Aristóteles e Dante obviamente, que são dois meninos de 15 anos que se conhecem e passam a tentar descobrir os segredos do Universo. Isso pode parecer meio weird, mas é mais ou menos assim. Sigam-me os bons!


Ari é um menino que tem muitos problemas, é triste e parece que não tem esperança na vida e nas pessoas, principalmente em outros meninos. Os problemas dele estão principalmente na família, com o pai que depois que voltou da guerra do Vietnã nunca mais foi o mesmo e o seu irmão, Bernardo que foi preso e essa é a única coisa que Ari sabe, porque eles vivem de uma forma que parece que o irmão dele está morto.

Por outro lado, nós temos Dante que é divertido, inteligente, lindo e tem uma família maravilhosa, apesar de não conseguir se comunicar tanto com a mãe quanto com o pai, o contrário do que ocorre com Ari. O Dante é o meu favorito entre os dois, eu acho. O Ari me conquistou até não poder mais, mas na hora de escolher, eu escolho Dante, porque ele é um personagem que ao mesmo tempo em que é feliz, é triste e ele tem tanta compaixão e bondade e é louco e ama poesia e ah, eu adoro o Dante.

Aristóteles é um personagem tão triste, tão triste. E cheio de raiva e tantos sentimentos. Ele é tudo menos perfeito e isso é tão importante em um livro. Mas ele também tem seus momentos de felicidade, de deslumbramento e carinho e afeto e delicadeza.

A história não é uma coisa com muita ação, mas ainda assim fez com que eu ficasse na borda do sofá e querendo ler mais e mais até saber o que mais iria acontecer na vida daqueles personagens; quando Ari iria se libertar do silêncio e quando Dante iria descobrir quem ele era e quem queria se tornar.
Os conflitos são bem trabalhados e tem coisas que a gente se identifica e pensa: “Hmm, eu também penso nisso de vez em quando.”, ou “Por que as coisas são assim?”, ou “É verdade, eu nunca tinha reparado nisso antes”.    

E é tão lindamente escrito! É tão poético e ao mesmo tempo é um tipo de escrita que me fazia relaxar antes de dormir. Foi uma ótima leitura em época de provas by the way, haha.

"Outro segredo do Universo: às vezes, a dor era como uma tempestade que vinha do nada. A mais clara manhã de verão podia acabar em temporal. Podia acabar em raios e trovões."
Ari é muito parecido com o pai dele, porque nenhum dos dois quer mostrar quem eles são e colocar para fora aquilo que está dentro deles e o Ari culpa muito o pai dele por isso. Como o livro é narrado pelo Ari, não tenho como dizer com mais exatidão, mas Dante também tem tantos conflitos, tantos conflitos... É um romance gay sim, antes que vocês perguntem, mas o livro é mais sobre se dar conta de que todos os segredos do Universo estão dentro de você e que basta olhar para dentro e não ter vergonha do que se é. Mas ainda assim, os personagens conseguem descobrir muita coisa sobre o mundo exterior e das outras pessoas ao redor deles, não só dos pais, mas do mundo em geral.

É tão difícil falar desse livro! Eu queria lê-lo há muito tempo, desde antes de a editora pensar em trazê-lo para o Brasil e eu sabia que iria amá-lo. Esse livro me destruiu completamente. O final não é triste, ainda que tenha umas pontinhas de tristeza, é feliz e esses pontinhos tristes só servem para deixar a história mais bonita. O dia que eu terminei a leitura eu estava um pouco deprimida por causa de algumas coisas que aconteceram, aí terminei o livro e ele me deixou com uma sensação de nostalgia (sem motivo algum) e até chorei um pouquinho depois.

Mas apesar de tudo o que eu já disse, esse não é um livro que todo mundo vá gostar. Ele tem as suas falhas. Ele é dividido em partes e cada parte começa com capítulo um. Ele também é cheio de diálogos que em si às vezes são um pouco confusos e também tem horas que eu me perdia e tinha quem tinha falado o quê, porque não estava especificado. Embora, isso fez com que a leitura fosse bem dinâmica.
O final também é uma parte um pouco polêmica para mim. Eu gostei e passou pela minha cabeça que aquilo iria acontecer, mas eu não tinha certeza e eu acho que faltou um pouco mais de desenvolvimento da ideia por parte de um personagem para que ficasse mais crível, mas tudo bem. Eu adorei o livro mesmo assim.

"O verão chegou novamente. Verão, verão, verão. Amava e odiava verões. Verões tinham um ritmo próprio e sempre revelavam algo de mim. Verão significa liberdade, juventude, nada de escola e muitas possibilidades e aventura e exploração. Verão era esperança. Por isso amava e odiava verões. Porque me faziam acreditar."

Beijinhos